quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Segurança - antidrone por RF

Arma antidrone bloqueia sinais de GPS e 'congela' drones no ar

DroneDefenderUma organização sem fins lucrativos dos Estados Unidos desenvolveu uma arma antidrone para ser usadas pela polícia ou outros agentes de segurança nacional. A DroneDefender, da Battelle, bloqueia sinais do tipo GPS e ISM, usados para a navegação de drones, e com isso interfere no funcionamento das máquinas.
A empresa publicou um vídeo (assista), mas as imagens são apenas uma "simulação" do funcionamento. A legislação norte-americana proíbe que dispositivos que criem esse tipo de interferência sejam usados e comercializados. A companhia garante, no entanto, que o equipamento já foi testado em situações reais e aguarda autorização do governo.
No vídeo, o drone alvo "congela" no ar e, enquanto a interferência é mantida, ele lentamente desce até o solo. Na prática, o drone que perde o sinal também pode retornar ao ponto de decolagem. O comportamento, no entanto, varia conforme a programação do drone, pois a arma somente gera interferência e não controla a máquina. O drone também não é danificado, evitando riscos como a queda de pedaços do drone causada por tiros de armas comuns.
A arma tem alcance de 400 metros, pode operar por até 5 horas contínuas e versões mais portáteis podem pesar menos que 4,5 quilos. A Battelle também diz que o custo da arma não é alto, mas não deu detalhes sobre o preço.
A organização disse ainda que versões mais sólidas da arma, para uso em condições desfavoráveis, também estão disponíveis.  "Esse tipo é de ferramenta que precisamos para enfrentar a ameaça dos drones", afirmou Dan Stamm, pesquisador responsável pelo desenvolvimento do projeto.
Os drones, também chamados de veículos aéreos não tripulados (VANTs), são usados pelo exército norte-americano para missões que vão de reconhecimento à eliminação de alvos. Eles também são populares como um hobby, principalmente para fotografias aéreas, mas também já foram usados para pichar outdoors. As máquinas também são usadas na agricultura, para a segurança pública e até para entregar pizza.
No Brasil, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) lançou consulta pública para que a sociedade contribua com ideias de regras para os drones. O prazo para as contribuições é até o dia 2 de novembro. (Veja detalhes no site da Anac)
Nos Estados Unidos, a FAA, agência equivalente à Anac, tem demonstrado interesse em novas regras para os drones. A agência publicou recentemente que está tentando melhorar tecnologias que detectam drones voando em regiões próximas a aeroportos.
A imprensa norte-americana também divulgou na semana passada que a agência deve propor ainda esta semana que todos os drones sejam registrados junto ao Departamento de Transporte do governo norte-americano. Essa regra hoje só vale para drones comerciais.
Imagem: Divulgação/Battelle

Nenhum comentário:

Postar um comentário